MISODOR
 

 

 

 

 

 

MISODOR

 


454
RECADOS                                                                                                
Custom Search
AREA DE LOGIN      
USUARIO:              
SENHA                  
NECESSÁRIO SOMENTE PARA COLABORADORES, TODO CONTEUDO PROGRAMATICO ESTÁ DISPONIVEL SEM SENHA NA ÁREA DE MEDICINA
MEDICINA
CLINICA MEDICA                       CIRURGIA                      OBSTETRICA-GINECOLOGIA                     PEDIATRIA                      SAÚDE PUBLICA
TREINAMENTO
BANCO DE PROVAS EM CONTINUA EXPANSÃO, ATUALMENTE COM 3429 QUESTÕES OBJETIVAS, 30 QUESTÕES DISCURSIVAS E 33 CASOS CLINICOS, TODAS COM GABARITO COMENTADO
OBJETIVAS
                     DISCURSIVAS                     CASUISTICA                    PROVAS ANTERIORES                     SIMULADOR DE PROVA
UTILITÁRIOS
GLOSSARIO                              INDEX FARMACON                              ESCALA DE GLASGOW

PATOLOGIA DA TIREÓIDE

Sobre o sindrome de T3 baixo e CORRETO afirmar que:

I) a insuficiência renal se constitui em fator de risco
II) os níveis de T3 e T4 são muito baixos mais isto não influencia a secreção de TSH
III) os resultados laboratoriais são normais
IV) quando a doença é muito grave, os níveis de T4, T3 e TSH podem estar diminuídos

São verdadeiras:

A. apenas I, II e III
B. apenas II e III
C. apenas III e IV
D. apenas I e IV
E. apenas II e IV

PARACOCCIDIOMICOSE

 Respondam ás seguintes questões:

1)  Como que é, usualmente, adquirida a paracoccidiomicose? (0,2 p)

2) Indicam os remédios utilizados no tratamento da paracoccidiomicose utilizados no Brasil. (0,3 p)

L.R., sexo masculino, branco, 67 anos, casado, aposentado, natural do Rio de Janeiro, residente em Caxias/RJ. admitido na Emergência do HSE em 20/05/2002 com queixa de dor abdominal há 24 horas, do tipo difusa, moderada, contínua, de início súbito, que diminuía temporariamente com uso de analgésicos, acompanhada de náuseas e dificuldade para evacuar..
No exame: lúcido, orientado no tempo e no espaço, normocromia, hidratado, eupneico, anictérico, acianótico, afebril. ACV: RCR 2t BNF (b3) PA: 130/90 mmHg FC: 90 bpm AR: MVUA sem ruídos adventícios. Abdome: globoso, distendido, peristalse débil, hipertimpânico, doloroso à palpação difusa sem descompressão dolorosa. MMII: sem alterações. Exames laboratoriais: hemograma: 12.000 - 0/0/0/0/7/71/20/4. glicemia: 105 mg/dl, rotina de abdome agudo: discreta distensão de alças intestinais. Conduta: suporte hidreletrolítico, analgesia e observação.
Pergunta-se:

1) Qual é a hipótese diagnostica e a conduta inicial? 0,1p

2) Caso suspeitar uma apendicite aguda, quais seriam os sinais a ser pesquisados na apalpação do abdômen? 0,4p