m  i  s  o  d  o  r


        SITE PREPARATORIO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA, REVALIDA, CONCURSOS PUBLICOS E PROVAS DE TITULO

usuario: senha:


NÃO SOU CADASTRADO
                                                         NÃO LEMBRO A SENHA/USUÁRIO



977 USUARIOS INSCRITOS

198 PROVAS FEITAS POR ASSINANTES

716 RECADOS DOS VISITANTES


NOSSO BANCO DE PROVAS TEM:
6150 QUESTÕES OBJETIVAS, PRECISAMENTE:

1411 DE CLINICA, 2651 DE PEDIATRIA, 1248 DE CIRURGIA, 201 DE OBSTETRICA-GINECOLOGIA, 361 DE SAUDE PUBLICA
102 QUESTÕES DISSERTATIVAS E 138 CASOS CLINICOS

"HALL OF FAME" - CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO GERAL AQUI:

Pos.    Nickname Pontuação Media Nr. provas
1.    MO 482.00 9.181 21
2.    KATY 365.00 2.555 15
3.    TARGIGNIS 347.80 6.720 10

CONFIRA ALGUNS EXEMPLOS, ESCOLHIDOS PELO SISTEMA ALEATÓRIO:

OBJETIVA: (229187 votos)..........99.22% das questões objetivas receberam votos.
Julia, 8 meses, sexo feminino, peso: 6,4 kg (lactente) compareceu ao serviço com crise convulsiva há 10 minutos. Na chegada, crise generalizada tônica, cianose, ausência de movimentos respiratórios associado a espasmo de toda a musculatura esquelética.
Mãe refere quadro febril há 3 dias, progressiva, chegando a 38,3-38,7° C, com boa resposta ao uso de dipirona, e recorrência antes de 6 horas.
Associado ao quadro, refere aumento da irritabilidade, coriza hialina, tosse seca e eritema conjuntival. Nega dispneia, vômitos e diarreia.
Nega episódios semelhantes, doenças, internações prévias e alergias. BEG, eutrófica, hipocorada +/4+, hidratada, anictérica, acianótica e eupneica. Presença de coriza amarelada, orofaringe hiperemiada, e otoscopia sem alterações. ACV: RCR, 2T, BNF, sem sopros, FC: 140 bpm, pulsos cheios e simétricos. AR: MV fisiológico, sem ruídos adventícios, FR: 36 irpm, Sat O2: 96%. ABD: semigloboso, RHA+, timpânico, sem visceromegalias e massas palpáveis. Extremidades: bem perfundidas e sem edema. Neurológico: ausência de sinais meníngeos, ativa e reativa, fontanela anterior plana e normotensa.
Acerca desse caso, considera a afirmação ERRADA:
A. o quadro clínico pode ser considerado como uma crise convulsiva febril
B. há possibilidade de recorrências em caso de outros picos febris
C. a administração de midazolam nesta idade é sempre a primeira escolha para estabilizar a crise, devido á acesso venoso difícil
D. a punção lombar não está indicada neste caso
E. não deve ser utilizada profilaxia com antitermicos

  RATING: 2.86

Julia, 8 meses, sexo feminino, peso: 6,4 kg (lactente) compareceu ao serviço com crise convulsiva há 10 minutos. Na chegada, crise generalizada tônica, cianose, ausência de movimentos respiratórios associado a espasmo de toda a musculatura esquelética.
Mãe refere quadro febril há 3 dias, progressiva, chegando a 38,3-38,7° C, com boa resposta ao uso de dipirona, e recorrência antes de 6 horas.
Associado ao quadro, refere aumento da irritabilidade, coriza hialina, tosse seca e eritema conjuntival. Nega dispneia, vômitos e diarreia.
Nega episódios semelhantes, doenças, internações prévias e alergias. BEG, eutrófica, hipocorada +/4+, hidratada, anictérica, acianótica e eupneica. Presença de coriza amarelada, orofaringe hiperemiada, e otoscopia sem alterações. ACV: RCR, 2T, BNF, sem sopros, FC: 140 bpm, pulsos cheios e simétricos. AR: MV fisiológico, sem ruídos adventícios, FR: 36 irpm, Sat O2: 96%. ABD: semigloboso, RHA+, timpânico, sem visceromegalias e massas palpáveis. Extremidades: bem perfundidas e sem edema. Neurológico: ausência de sinais meníngeos, ativa e reativa, fontanela anterior plana e normotensa.
Acerca desse caso, considera a afirmação ERRADA:

A. o quadro clínico pode ser considerado como uma crise convulsiva febril
CORRETO: Definição de Crise Convulsiva Febril: Crise convulsiva que ocorre após um mês de idade, associada à doença febril, não causada por infecção do SNC, sendo excluídas as crianças que apresentaram crises neonatais ou crises não provocadas, ou ainda as que se encaixam nos critérios de outra crise sintomática aguda
B. há possibilidade de recorrências em caso de outros picos febris
INCORRETO : Taxa geral de recorrência: 30-35%. 70% apresentarão apenas 1 crise, 20% 2 crises e 10% várias crises
C. a administração de midazolam nesta idade é sempre a primeira escolha para estabilizar a crise, devido á acesso venoso difícil
INCORRETO : Diazepam sempre é a primeira opção.


D. a punção lombar não está indicada neste caso
CORRETO : Punção lombar (American Academy of Pediatrics) : Indicada na presença sinais ou sintomas meníngeos ou qualquer característica clínica sugestiva de meningite ou infecção intracraniana. Considerada em lactentes entre 6 a 12 meses se for desconhecida ou indeterminada a imunização contra Haemophilus influenzae tipo B ou Streptococcus pneumoniae. Considerada em vigência de antibioticoterapia.
E. não deve ser utilizada profilaxia com antitermicos
CORRETO : Profilaxia com Antitérmicos não possui nenhuma evidência que previna uma crise afebril portanto não deve ser utilizada.

Gabarito:  C

AVALIE ESSA QUESTÃO: (2.86)
DISCURSIVA: (15017 votos) ..........100% das questões discursivas receberam votos.
1) Enumeram 2 anormalidades estruturais cardíacas que podem evoluir com síncope cardiogênica por mecanismo obstrutivo. - 0,125 pontos
2) Enumeram 3 causas de sincope neurogênica. 0,1875 pontos
3) Apontam 3 situações em qual a síncope deve ser encaminhada ao cardiologista ou neurologista. 0,1875 pontos


RATING: 2.91

1) Enumeram 2 anormalidades estruturais cardíacas que podem evoluir com síncope cardiogênica por mecanismo obstrutivo. - 0,125 pontos
2) Enumeram 3 causas de sincope neurogênica. 0,1875 pontos
3) Apontam 3 situações em qual a síncope deve ser encaminhada ao cardiologista ou neurologista. 0,1875 pontos

1) Enumeram 3 anormalidades estruturais cardíacas que podem evoluir com síncope cardiogênica por mecanismo obstrutivo.
Isso acontece quando algum defeito obstrua o enchimento ou, pelo contrário, o esvaziamento ventricular.0,0625 p cada uma

  • estenose aórtica grave
  • cardiomiopatia hipertrófica obstrutiva
  • estenose pulmonar
  • estenose mitral
  • tamponamento cardíaco
  • hipertensão pulmonar primária
2) Enumeram 3 causas de sincope neurogênica.

SINCOPE NEUROPSIQUIATRICA

  1. Epilepsia 0,0625 p
  2. Enxaqueca 0,0625 p
  3. Distúrbios psiquiátricos 0,0625 p
3) Apontam 3 situações em qual a síncope deve ser encaminhada ao cardiologista ou neurologista.(0,0625 p cada uma da lista abaixo)
  • Síncope desencadeada por exercícios
  • Síncope associada à dor no peito ou palpitações
  • Qualquer anormalidade cardíaca detectada no exame físico ou ECG
  • História familiar de morte súbita
  • História familiar de epilepsia
  • Qualquer anormalidade neurológica aguda ou residual
  • Episódio inexplicável de síncope
  • Síncope recorrente

FONTE:
SINCOPE NA CRIANÇA

AVALIE ESSA QUESTÃO: (2.91)

CASO CLINICO: (20231 votos)..........100% dos casos clinicos receberam votos.
Identificação – K.G.R.A, feminino, 4 anos de idade, residente no Município A, Bairro Nova América.

História da Doença Atual – Foi atendida na unidade básica do Programa de Saúde da Família no dia 21/12/2005, com história de dois dias de febre, recusa alimentar, hipoatividade e tosse esporádica. A mãe relata que hoje observou manchas vermelhas pelo corpo da criança. Nega vômito, diarréia ou outros sinais e sintomas.

Exame Físico Geral - Regular estado geral, hidratado, acianótico, eupnéico,anictérico e temperatura axilar de 39°C. Pele: exantema do tipo morbiliforme mais evidente em face etronco. Orofaringe: hiperemiada. Otoscopia: sem alterações. Ausculta pulmonar: murmúrio vesicular presente sem ruídos adventícios. Ausculta cardiovascular: rítmo cardiaco regular, bulhas em dois tempos, normofonéticas, sem sopro. Abdome: normotenso, indolor, sem visceromegalias, ruídos hidro-aéreos presentes e normais. Neurológico: sem alterações.

Perguntas

1. Quais são as hipóteses diagnósticas que você faria para este caso? (0,2 p)

2. Diagnóstico diferencial de síndrome febril aguda com exantema.(0,2 p)

3. Há alguma informação adicional da história clínica que você considera relevante e que não foi obtida? Se sim, diga qual (quais). (0,1 p)


RATING: 3.1

Resposta 1:

a) Escarlatina, parvovirose, sarampo, dengue, enteroviroses e outras viroses (Mayaro, Oropouche)    (0,1 p)
b) Farmacodermia (0,1 p)

Resposta 2:  (0,2 p)

Rubéola: quadro clínico habitualmente sem pródromos nas crianças, sintomas leves em adultos e associado com linfadenopatia retroauricular e/ou cervical e/ou occipital. O exantema é róseo, excepcionalmente confluente e sem descamação. Adolescentes e adultos freqüentemente apre­sentam artralgias.

Escarlatina: pródromos de 1 a 2 dias, com febre e mal-estar. Exantema eritematoso, puntiforme com palidez perioral e linhas nas dobras de flexão. Descamação in­tensa nas palmas das mãos e plantas dos pés.

Dengue: início súbito, febre por 2 a 5 dias, astenia, cefaléia, mialgia e artralgia intensas. Exantema maculo-papular a partir do tronco, espalhando-se para o rosto e membros.

Eritema infeccioso: pródromos com febre, cefaléia, mialgia por 5 a 7 dias. Exantema inicialmente na face (aparência de face esbofeteada), que se espalha após 1 a 4 dias para o tronco. Por uma ou duas semanas o exantema pode ter intensidade variável, exacerbado pela exposição solar.

Exantema súbito: pródromo com febre alta por 3 a 4 dias, irritabilidade, que desaparecem após a instalação do exantema (maculopapular) de curta duração. Não há descamação.

Enteroviroses: pródromos com febre por 3 a 4 dias (exceto para coxsackie) com exantema variável, geralmente discreto, e adenopatia. Lactentes podem apresentar distúrbios gastrointestinais.


Resposta 3:

Não foi buscado o uso pregresso de medicamentos. (0,1 p)

AVALIE ESSE CASO CLINICO: (3.1)

Todos os direitos reservados. 2019.
O site misodor.com está online desde 04 de novembro de 2008
O nome, o logo e o site misodor são propriedade declarada do webmaster
Qualquer conteudo deste site pode ser integralmente ou parcialmente reproduzido, com a condição da menção da fonte.