MISODOR - SITE DE ESTUDO E TREINAMENTO PARA PROVAS DA ÁREA MÉDICA

RECOMENDAÇÃO PARA RESUMOS: NOVAPEDIATRIA.COM.BR

 

590 RECADOS
CLINICA MEDICA               CIRURGIA               PEDIATRIA           GINECOLOGIA              SAÚDE PUBLICA E LEGISLAÇÃO
QUESTÕES OBJETIVAS      QUESTÕES DISSERTATIVAS     CASOS CLINICOS     PROVAS ANTERIORES     SIMULADOR
BANCO DE PROVAS EM CONTINUA EXPANSÃO, ATUALMENTE COM 3934 QUESTÕES OBJETIVAS, 43 QUESTÕES DISCURSIVAS E 47 CASOS CLINICOS, TODAS COM GABARITO COMENTADO

INF. DO TRATO RESP. SUPERIOR NA CRIANÇA

E uma afirmação FALSA em relação com tratamento da sinusite:

A. a antibioticoterapia para a rinossinusite bacteriana aguda, na maioria dos casos, é empírica
B. amoxacilina não é recomendada na sinusite subaguda e na crônica
C. os anti-histamínicos promovem um espessamento da secreção, e não devem ser utilizados
D. na sinusite subaguda o tratamento gira em torno dos 14 a 21 dias
E. o spray nasal de corticóide reduz o edema de mucosa em pacientes com sinusite crônica

A. a antibioticoterapia para a rinossinusite bacteriana aguda, na maioria dos casos, é empírica
CORRETO: A antibioticoterapia para a rinossinusite bacteriana aguda, na maioria dos casos, é empírica.
B. amoxacilina não é recomendada na sinusite subaguda e na crônica
CORRETO : Na sinusite subaguda e na crônica, devido a elevada incidência de microorganismos produtores de beta-lactamase, a amoxacilina não é recomendada.
C. os anti-histamínicos promovem um espessamento da secreção, e não devem ser utilizados
CORRETO : Os anti-histamínicos, devido a seus efeitos anticolinérgicos, promovem um espessamento da secreção, e não devem ser utilizados, a não ser em casos de rinite alérgica associada.
D. na sinusite subaguda o tratamento gira em torno dos 14 a 21 dias
INCORRETO : A duração do tratamento gira em torno dos 14 a 21 dias para os casos agudos, não subagudos.
E. o spray nasal de corticóide reduz o edema de mucosa em pacientes com sinusite crônica
CORRETO : O spray nasal de corticóide reduz o edema de mucosa em pacientes atópicos e naqueles com sinusite crônica.

Gabarito: D

O RECEM-NASCIDO

1) Enumeram os mecanismos que contribuem para icterícia fisiológica do recém-nascido.
2) Descreve a evolução natural da icterícia fisiológica.

1) Mecanismos que contribuem para icterícia fisiológica do RN:
a) menor vida media das hemácias; 0,05 pontos
b) maior volume eritrocitário por kg de peso; 0,05 pontos
c) maior eritropoese ineficaz; 0,05 pontos
d) menor captação e conjugação hepática (imaturidade hepática); 0,05 pontos
e) maior circulação entero-hepática (flora diminuída); 0,05 pontos

2) Descreve a evolução natural da icterícia fisiológica do recém-nascido.
Inicia após 24 horas de vida (HV), RN a termo tem pico (máx. 12.9) entre 3-5º dias de vida (DV), resolução em 7 a 10 DV. RN pré-termo tem pico mais tardio, entre 5 e 7ºDV, e maior (máx. 15mg/dL), resolução mais tardia, em até 2 semanas. 0,25 pontos

https://novapediatria.com.br/ictericia-neonatal/


Criança do sexo masculino, 5 anos, com queixa de adenomegalia cervical dolorosa e febre alta há cinco dias. Apresentava hiperemia conjuntival, fissuras labiais, língua avermelhada, papilas hipertrofiadas e salientes. O hemograma evidenciou leucocitose e neutrofilia. Manteve-se febril e com linfadenopatia persistente mesmo após o uso de terapia antimicrobiana para adenite piogênica. No oitavo dia de internação, evoluiu com descamação dos dedos das mãos e dos pés e plaquetose.

Enumeram pelo menos 3 hipóteses diagnósticas e indiquem a mais provável (0,5 pontos)

 

Como que julgamos esse caso nas provas? Primeiro, está bem claro que trata-se de uma doença exantematica numa criança, então, precisamos ver quais são as doenças exantematicas na criança que cumprem grande parte destas sintomas.
  • doença de Kawasaki: febre com duração de pelo menos cinco dias + presença de pelo menos quatro dos cinco sinais: congestão conjuntival bulbar bilateral, geralmente não-purulenta, alterações da mucosa da orofaringe, incluindo congestão de faringe, lábios hiperemiados e/ou secos e fissurados, língua em framboesa, alterações das extremidades periféricas, com edema e/ou eritema das mãos ou pés na fase aguda ou descamação periungueal na fase subaguda, eritemas, primariamente no tronco; polimorfos, nao-vesiculares, adenopatia cervical > 1,5 cm, geralmente unilateral nao explicada por outros processos patológicos conhecidos.
  • escarlatina apresenta rápida resposta com terapia à base de penicilinas, esse tratamento durante 24 a 48 h, com reavaliação clínica, esclarece o diagnóstico
  • síndrome do choque tóxico evolui com hipotensão, envolvimento renal, elevação do nível de creatino-fosfoquinase, e um foco de Infecção pelo Staphylococcus aureus
  • sarampo não-complicado tem conjuntivite exsudativa, manchas de Koplik, eritema que começa na face atrás das orelhas, e leucopenia com VHS baixo.
  • reações de hipersensibilidade a drogas, incluindo a síndrome de Stevens-Johnson, há edema periorbital, úlceras orais e VHS baixo
  • artrite reumatóide juvenil presença de linfadenopatia, hepatoesplenomegalia e eritema de coloração salmão evanescente
  • a febre das Montanhas Rochosas
  • leptospirose
  • Síndrome da pele escaldada estafilocócica
  • Intoxicação por mercúrio
  • Eritema perineal toxino-mediado recorrente
  • Linfadenites cervicais bacterianas

 Febre acima de cinco dias associada a quatro dos cinco critérios restantes ou a presença de febre e aneurisma coronariano associado a três dos demais critérios. : congestão ocular bilateral não exsudativa, hiperemia e/ou ressecamento e/ou fissuras e/ou descamação de lábios e/ou hiperemia de orofaringe com proeminência das papilas linguais, exantema polimorfo não vesicular que se inicia no tronco e se estende para membros, eritema e edema endurado de mãos e pés que evolui para descamação periungueal, linfadenopatia cervical aguda não supurativa uni ou bilateral superior a 1,5 cm de diâmetro são dados importantes para suspeitar de doença de Kawasaki.