Ações terapêuticas.

Antibiótico.

Propriedades.

É um antibiótico b-lactâmicos bactericida de amplo espectro, o primeiro de uma nova classe de fármacos nesta categoira, a classe das tienamicinas. A cilastatina é um inibidor específico da enzima que bloqueia o metabolismo do imipenem no rim e aumenta substancialmente a concentração deste fármaco no trato urinário. O imipenem e a cilastatina sódica estão presentes em uma relação de peso de 1:1. Seu mecanismo de ação é a inibição da síntese da parede celular bacteriana, sendo bactericida contra um amplo espectro de patógenos Gram-positivos e Gram-negativos, aeróides e anaeróbios. O espectro de atividade abarca aeróbios patogênicos Gram-negativos: Achromobacter sp., Acinetobacter sp. (anteriormente denominado Mimaherellea), Aeromonas hydrophila, Alcaligenes sp., Bordetella bronchicanis, Bordetella bronchiseptica, Bordetella pertussis, Brucella melitensis, Campylobacter sp.,Capnocytophaga sp., Citrobacter sp., Citrobacter divesus, Citrobacter freundii, Eikenella corrodens, Enterobacter sp., Enterobacter aerogenes, Enterobacter agglomerans, Enterobacter cloacae, Escherichia coli, Gardnerella vaginalis, Haemophilus drucreyi, Haemophilus influenzae (inclusive cepas produtoras de b-lactamases), Haemophilus parainfluenzae, Hafnia alvei, Klebsiella sp., Klebsiella oxytoca, Klebsiela ozaenae, Klebsiella pneumoniae, Legionella sp., Moraxella sp., Morganella morganii (previamente denominada Proteus morganii), Neisseria gonorrhoeae (inclusive cepas produtoras de penicilinase), Neisseria meningitidis, Pasteurella sp., Pasteurella multocida, Plesiomonas shigelloides, Proteus sp., Proteus vulgaris, Providencia sp., Providencia alcalifaciens, Providencia rettgeri (previamente denominada Proteus rettgeri), Providencia stuartii,Pseudomonas sp., Pseudomonas aeruginosa, Pseudomonas fluorescens, Pseudomonas pseudomallei, Pseudomonas putrida, Pseudomonas stutzeri, Salmonella tyhi, Serratia proteamaculans previamente denominada Serratia liquefaciens), Serratia marcescens, Shigella sp., Yersinia sp., (previamente denominada Pasteurella, Yersinia enterocolitica, Yersinia pseudotuberculosis, Xanthomonas maltophikua (previamente denominada Pseudomonas maltophilia) e algumas cepas de Pseudomonas cepacia geralmente não são sensíveis ao imipenem. Aeróbios Gram-positivos: Bacillus sp., Enterococcus faecalis, Erysipelothrix rhusiopathiae, Listeria monocytogenes, Nocardia sp., Pediococcus sp., Staphylococcus aureus (inclusive cepas produtoras de penicilinase), Staphylococcus epidermidis(inclusive cepas produtoras de penicilinase), Staphylococcus saprophyticus, Streptococcus agalactiae, Streptococcus do grupo C, Streptococcus do grupo G, Streptococcus pneumoniae, Streptococcus pyogenes, Streptococcus viridans (inclusive cepas a-hemolíticas e g-hemolíticas). Enterococcus faecium e Staphylococcus resistentes à meticilina não são suscetíveis ao imipenem. Anaeróbios Gram-negativos: Bacteroides sp., Bacteroides distasonis, Bacteroides fragilis, Bacteroides ovatus, Bacteroides thetaiotaomicron, Bacteroides uniformis, Bacteroides vulgatus, Bilphila wadswoethia, Fuspbacterium sp., Fusobacterium necrophorum, Fusobacterium nucleatum, Porphyromonas asaccharolytica, Prevotella bivia (Bacteroides bivius), Prevotella disiens (Bacteroides disiens),Prevotella intermedia (Bacteroides intermedius), Prevotella melaninogenica (Bacteroides melaninogenicus), Veillonella sp. Anaeróbios Gram-positivos: Actinomyces sp., Bifidobacterium sp., Clostridium sp., Clostridium perfrigens, Eubacterium sp., Lactobacillus sp., Mobiluncus sp., estreptococcus microaerofílicos, Peptococcus sp., Peptostreptococcus sp., Propionibacterium sp., inclusive P. acnes. Outros: Mycobacterium fortuitum, mycobacterium smegmatis. Os ensaios in vitro demonstraram que o imipenem atua de modo sinérgico com os antibióticos aminoglicosídeos contra algumas colônias de Pseudomonas aeruginosa. O imipenem, juntamente com a cilastatina, mostrou eficácia contra muitas infecções causadas por bactérias aeróbicas e anaeróbicas, Gram-positivas e Gram-negativas, resistentes a cefalosporinas (cefazolina, cefoperazona, cefalotina, cefoxitina, cefotaxima, ceftazidima e ceftriaxona).De modo semelhante, muitas infecções causadas por microrganismos resistentes a aminoglicosídeos (gentamicina, amicacina, tobramicina) e/ou penicilinas (ampicilina, carbenicilina, penicilina G, ticarcilina, piperacilina, azlocilina, mezlocilina) mostraram resposta clínica ao tratamento com esta associação de fármacos. O imipenem não está indicado para o tratamento de meningite.

Indicações.

Infecções polimicrobianas e mistas, aeróbicas/anaeróbicas. Infecções intra-abdominais, respiratórias, ginecológicas, gênito-urinárias, infecções em ossos e articulações, endocardite, bacteriemias, septicemias. tratamento de infecções mistas causadas por cepas bacterianas aeróbicas e anaeróbicas, geralmente associadas com contaminação da flora fecal originária da vagina, pele e boca. Profilaxia pós-cirúrgica.

Posologia.

Crianças com idade inferior a 3 meses e lactantes com peso corporal inferior a 40kg: 15mg/kg a cada 6 horas. Dose máxima: 2g por dia. Crianças com idade igual ou superior a 3 meses, ou com um mínimo de 40kg de peso corporal: infecção leve: 250mg de imipenem a cada 6 horas. Infecção moderada: 500mg de imipenem a cada 8 horas. Infecção severa devida a cepas bacterianas completamente sucetíveis: 1g de imipenem a cada 12 horas. Infecções severa devida a cepas menos suscetíveis: 1g de imipenem a cada 6 horas. Adultos: profilaxia contra infecções pós-cirúrgicas: via intravenosa, 1g de imipenem juntamente com a indução da anestesia e 1g, três horas depois. Adultos com peso corporal acima de 70kg e função renal normal: infecção leve: 250mg de imipenem a cada 6 horas. infecção moderada: 500mg de imipenem a cada 8 horas. Infecção severa devida a cepas completamente suscetíveis 1g de imipenem a cada 12 horas.Infecção severa devida a cepas menos suscetíveis: 1g de imipenem a cada 6 horas. Dose máxima: 50mg/kg por dia ou 4g/dia. A via de administração é intramuscular ou intravenosa; em caso de peso corporal baixo, diminuir a dose administrada. Se o paciente apresenta insuficiência renal, ajustar as doses anteriores conforme o clearance (depuração) de creatinina.

Superdosagem.

Não há informação disponível sobre o tratamento da superdose com esta associação de fármacos.

Reações adversas.

As reações adversas mais freqüentes compreendem eritema, dor e induração locais, tromboflebite, rash cutâneo, prurido, urticária, eritema multiforme, síndrome de Stevens Johnson, angioedema, necrólise epidérmica tóxica, dermatite esfoliativa, candidíase, febre, reações anafiláticas, náuseas, vômitos, diarréia, manchas dentais, colite pseudomembranosa, eosinofilia, leucopenia, agranulocitose, trombocitopenia ou trombocitose, aumento do nível de transaminases, de bilirrubina e/ou de fostatase alcalina séricas, hepatite, oligúria, anúria, poliúria, insuficiência renal aguda, alterações na atividade mioclônica, distúrbios psíquicos incluindo alucinações, confusão mental ou convulsões, perda da audição e alteração do paladar.

Precauções.

Em virtude de a colite pseudomembranosa ser um dos efeitos colaterias adversos deste fármaco, aconselha-se administrar com precução em pacientes com histórico de doenças gastrintestinais, particularmente colite. Dada a inexistência de estudos adequados e bem controlados em mulheres grávidas, não se recomenda o uso de imipenem-cilastatina durante a gravidez, exceto se o benefício pretendido justifique o risco potencial para o feto. O imipenem é eliminado no leite humano, razão pela qual, se o uso destes fármacos for considerado essencial, convém que a paciente suspenda a amamentação. Não é recomendado o seu uso em crianças com idade inferior a 3 meses de idade ou em paicentes pediátricos com comprometimento da função renal (teor sérico de creatinina > 2mg/dl).Caso o paciente apresente tremores focais, mioclonias ou convulsões, deverá ser feita avaliação neurológica e instituída medicação anticonvulsivante.

Interações.

O ganciclovir não deve ser usado de modo concomitante com imipenem-cilastatina, pois ocorre aumento do risco de consulsões. O uso nestas condições dependerá de os benefícios pretendidos superarem os riscos potenciais.

Contra-indicações.

Hipersensibilidade a qualquer dos seus componentes.