MONITOR DE QUESTÕES

VERIFIQUE RAPIDO SEUS CONHECIMENTOS!

 

VOLTAR

SAIR

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5427. Em algumas situações de choque séptico devem ser utilizadas alíquotas de volume menores, em torno de 10mL/kg, com reavaliações mais frequentes, como por exemplo:

A. em caso de cardiopatia congênita com suspeita de disfunção miocárdica ou recém-nascidos
B. crianças com anemia hemolítica grave e desidratação severa
C. em caso de persistência de disfunção cardiovascular
D. no choque frio pediátrico, nos serviços que não tenham disponibilidade de adrenalina
E. crianças que apresentam choque hiperdinâmico

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5426. No atendimento do choque séptico a necessidade de “bolus” adicionais de fluidos deve ser avaliada frequentemente e de forma individualizada por critérios clínicos e parâmetros hemodinâmicos que podem predizer a responsividade a volume. O melhor parâmetro para predizer responsividade a volume em crianças é:

A. a variação da velocidade de pico do fluxo aórtico durante a respiração
B. variação da pressão de pulso
C. variação da pressão arterial sistêmica
D. variação do volume sistólico
E. variação do diâmetro da veia cava inferior

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5425. Aumenta a mortalidade por sepse, EXCETO:

A. o atraso no início do antibiótico adequado
B. o controle inadequado do sítio de infecção
C. a não remoção dos dispositivos infectados
D. o atraso em entubar o paciente
E. o surgimento da hipotensão

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5424. O kit sepse (pacote de exames de primeira hora) deve ser identificado como parte do protocolo de sepse de forma a garantir atendimento diferenciado pelo laboratório. O objetivo principal é obter:

A. hemograma, em máximo 15 minutos
B. lactato em menos que 30 minutos
C. gasometria arterial em máximo 30 minutos
D. a coagulograma em máximo 60 minutos
E. as hemoculturas em menos de 24 horas

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5423. Como parte da estratégia aplicada na sepse pediátrica o pacote de reconhecimento presume para todas as crianças com suspeita de sepse grave a avaliação clínica em máximo:

A. 60 minutos
B. 40 minutos
C. 30 minutos
D. 20 minutos
E. 15 minutos

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5422. Sobre o valor da pressão arterial no paciente pediátrico com choque séptico é CORRETO afirmar que:

A. a hipotensão é considerada um sinal precoce de choque
B. a pressão arterial sofre modificações rápidas em caso de sofrimento orgânico
C. para o diagnóstico de choque séptico a hipotensão é critério primário
D. a ocorrência da hipotensão é confirmatória para choque
E. o choque séptico raramente pode ser diagnosticado antes da ocorrência de hipotensão.

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5421. B. L. 4 anos de idade, diagnosticado com pneumonia 3 dias atrás e tratado com Amoxicilina da entrada no hospital com mau estado geral, febre 38,7 ºC, saturação 89%, tiragem costal e tosse com dispneia. Na admissão, PA = 70/40 mmHg, FC 140/minuto, tempo de enchimento capilar 3 segundos. Rx de tórax abaixo:

Foram colhidos exames na urgência, com as seguintes resultados: hemograma com leucocitose 24.500/mm3, bastões 18/mm3, trombócitos 54.000/mm3, bilirrubina total 6 mg/100 ml, ALT = 60, TGP = 23, creatinina 6 mg/100 ml, pH 7,36 e lactato 36 mg/100 ml. Urina normal.
Considerando o caso abaixo, avalie as afirmações á seguir:
(I) a criança apresenta critérios de sepse grave;
(II) o Rx de tórax não é critério de diagnostico de sepse
(III) o baixo nível de plaquetas é critério de gravidade neste quadro clinico
(IV) a criança apresenta disfunção orgânica renal mas não tem disfunção hepática
São VERDADEIRAS:

A. Apenas a afirmação I
B. Apenas as afirmações II e IV
C. Apenas as afirmações I e III
D. Apenas as afirmações II e III
E. Todas as afirmações são falsas

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5420. São critérios para definir a disfunção respiratória em caso de sepse pediátrico grave, EXCETO:

A. A saturação periférica de oxigênio
B. O nivel de PaCO2
C. Relação PaO2 /FiO2
D. Necessidade de FiO2 para manter SatO2≥ 92%
E. Necessidade de ventilação não invasiva (VNI) ou ventilação mecânica (VM).

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5419. Quais das condições abaixo indica disfunção orgânica em pediatria:

A. pressão arterial sistólica (PAS) < percentil 25 para idade
B. necessidade de dopamina 3 μg/kg/min para estabilizar a PA
C. tempo enchimento capilar (TEC) de 3 segundos e lactato acima de 2 vezes o valor de referência.
D. oligúria (débito urinário < 1,0 mL/kg/h) e acidose (exceto em caso de excesso de base)
E. diferença entre a temperatura central e a periférica > 1°C

Conteudo programatico: URGÊNCIAS PEDIATRICAS

5418. Sabe-se que, para fins práticos qualquer disfunção orgânica associada a infecção suspeita ou confirmada caracterizará sepse grave. A modalidade de comprovar a disfunção cardiovascular é feita através de:

A. traçados arrítmicos no exame eletrocardiográfico e ecocardiografia com modificações estruturais
B. falta de resposta ao uso de medicação inotrópica cardiotônica
C. falta de resposta á oxigenioterapia 100% (pulsoximetria com saturação periférica abaixo de 94%)
D. acidose metabólica inexplicável: déficit de bases > 5,0 mEq/L e lactato acima de 2 vezes o valor de referência. depois da alcalinização com bicarbonato
E. persistência de parâmetros vitais ruins ao infundir mais de 40 mL/kg isotônico administrado em uma hora

QUESTÕES DOS COLABORADORES

Conteudo programatico:  CANCER DE OVARIO

AUTOR:           GUILLERMO

5046: PACIENTE DE 52 ANOS FOI DIAGNOSTICADA DE CARCINOMA DE OVARIO SEROSO , INOPERAVEL PELA EXTENÇÃO ABDOMINAL MACIÇA. 
A CONDUTA MAIS ADEQÜADA É:  
                                            A) CUIDADOS PALIATIVOS
                                            B) RADIOTERAPIA ABDOMINAL
                                            C) QUIMIOTERAPIA
                                            D) PROGESTÁGENOS
                                            E) ANTIESTRÓGENOS 

Conteudo programatico:  HANSENIASE

AUTOR:           DANIEL

5044:

Paciente do sexo masculino, 43 anos, apresenta quadro de infiltrações nas orelhas externas, madarose, ressecamento da pele e dos membros, dor articular, espessamento no nervo ulnar  e astenia. Mitsuda negativo. A classificação e a forma de tratamento desse hanseníase estão corretamente associadas na seguinte opção de resposta:

a) poliquimioterapia multibacilar ------- forma virchowiana.
b) poliquimioterapia paucibacilar ------- forma dimorfa.
c) poliquimioterapia paucibacilar ------- forma virchowiana.
d) poliquimioterapia multibacilar ------- forma dimorfa.
e) poliquimioterapia multibacilar ------- forma tuberculoide.

Conteudo programatico:  HANSENIASE

AUTOR:           DANIEL

5043:

Paciente do sexo masculino apresenta lesões de pele sugestivas de hanseníase multibacilar (MB). Em nenhum dos comunicantes intradomiciliares foi diagnosticada hanseníase. A alternativa que melhor corresponde à medida profilática adequada para os comunicantes é:

a) observação dos comunicantes, sem nenhuma medida adicional.
b) quimioprofilaxia com rifampicina por dois dias.
c) quimioprofilaxia com dapsona por 6 meses.
d) vacinação com BCG para os comunicantes menores de 5 anos.
e) vacinação com BCG para todos os comunicantes.

Conteudo programatico:  HANSENIASE

AUTOR:           DANIEL

5042:

Você recebe em seu consultório uma mulher de 30 anos, residente em Fortaleza-CE, no 4° mês de tratamento de Hanseníase Virchowiana, que desenvolveu nódulos eritematosos, dolorosos no tronco, face e membros superiores há 3 dias. A melhor conduta é:

a) suspender o tratamento, pois trata-se de reação alérgica à clofazimina.
b) suspender apenas a dapsona e iniciar terapia com anti-histamínicos.
c) suspender o tratamento e inicar terapia com talidomida, de 100 a 400 mg/dia, até a resolução do quadro e, então, reiniciar o tratamento específico.
d) manter o tratamento e iniciar predinosa, de 1 a 2 mg/kg/dia.
e) manter o tramento e iniciar terapia com talidomida nas doses recomendadas.

Conteudo programatico:  HANSENIASE

AUTOR:           DANIEL

5041:

Considere o seguinte quadro:
Paciente, apresenta lesões eritemato-infiltradas, anestésicas, duas em face e três no tronco. O teste de Mitsuda foi positivo 28 dias após a injeção intradérmica. Clinicamente, considerou-se o diagnóstico de Hanseníase.
Em relação a esse caso, assinale a alternativa INCORRETA:

a) A forma tuberculóide apresenta placas bem delimitadas com raros bacilos.
b) As formas boderline/dimorfa apresentam distribuição assimétrica das lesões cutâneas e dos nervos envolvidos.
c) A forma virchowiana/lepromatosa acomete difusamente a pele, tendo se infiltrado com histiócitos espumosos ricos em bacilos.
d) Pacientes paucibacilares são geralmente Mitsuda positivos.
e) Eritema Nodoso Hansênico é uma reação comum aos paciente de hanseníase quando iniciam o tratamento, independente da sua forma clínica. 

Conteudo programatico:  A. I. D. S.

AUTOR:           DANIEL

5040: O uso profilático de AZT injetável no pré-parto, segundo ACTG 076, reduz a transmissão vertical em:

a) 10%
b) 17%
c) 25%
d) 67%
e) 85%

Conteudo programatico:  A. I. D. S.

AUTOR:           DANIEL

5039: Em relação à transmissão vertical do HIV, é correto afirmar:

a) A cesariana eletiva reduz pela metade a transmissão vertical do HIV, quando comparada com a cesariana realizada depois do inicio do trabalho de parto.
b) O aleitamento materno não é contra-indicado se a contagem de linfócitos T-CD4 for maior que 500 células/mm3.
c) Com carga viral abaixo de 10.000 cópias/ml, a via de parto será indicada por critérios obstétricos.
d) O uso de zidovudina intravenosa deve ser iniciado uma hora antes do parto.
e) A episiotomia não tem relação com o risco de transmissão vertical do HIV.

Conteudo programatico:  A. I. D. S.

AUTOR:           DANIEL

5038: Gestante, 26 anos de idade, G2P0A1, 34 semanas de idade gestacional, foi encaminhada da Unidade Básica de Saúde com diagnóstico comprovado de infecção com o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), assintomática.
Sobre a utilização de anti-retrovirais para esta paciente, qual a alternativa CORRETA:

a) aguardar o resultado da carga viral para definir qual esquema anti-retroviral será utilizado.
b) Iniciar com inibidores da transcriptase reversa (zidovudina + lamivudina) e inibidor de protease (nelfinavir).
c) Iniciar com inibidores da transcriptase reversa ( zidovudina + efavirenz) e inibidor de protease (nelfinavir).
d) Iniciar com zidovudina e aguardar o resultado da carga viral para ajuste da dose.
e) Nenhum anti-retroviral, pois devemos interromper imediatamente a gravidez para diminuir o risco de transmissão vertical do HIV.

Conteudo programatico:  A. I. D. S.

AUTOR:           DANIEL

5037: Gestante no curso da 10a semana apresenta quadro clínico de AIDS com tuberculose pulmonar. A contagem de linfócitos T-CD4 é de 400 células/ml e se pretende usar a rifampicina para o tratamento da tuberculose. A melhor opção para o tratamento da AIDS, neste caso, é:

a) Monoterapia de imediato com zidovudina (AZT).
b) Terapia dupla (zidovudina + lamivudina).
c) Terapia tripla (zidovudina + lamivudina + nelfinavir).
d) Terapia tripla (zidovudina + lamivudina + abacavir).
e) Terapia tripla (zidovudina + lamivudina + hidroxiuréia).

Conteudo programatico:  A. I. D. S.

AUTOR:           DANIEL

5036: Em relação ao manejo de paciente gestante HIV positivo, são recomendações do Ministério da Saúde, EXCETO:

a) O uso de profilaxia com anti-retrovirais deve ser iniciado a partir da 14a semana de gestação e continuar durante o trabalho de parto e parto até o clampeamento do cordão.
b) Em relação aos critérios de escolha da via de parto, recomenda-se o parto por operação cesariana eletiva se a paciente apresentar carga viral inferior a 1.000 cópias/ml ou indetectável ou estiver com idade gestacional maior ou igual a 34 semanas.
c) No parto vaginal, a episiotomia deve ser evitada sempre que possível e deve-se manter a bolsa íntegra até o período expulsivo.
d) Não há necessidade de se isolar a mulher HIV positivo.
e) Realizar o clampeamento do cordão imediatamente após a saída do recém-nascido.

 

VOLTAR
SAIR