PERGUNTAS DA CATEGORIA

DOENÇAS DAS VIAS BILIARES

SAIR
 

30. A vesícula biliar pode ser predisposta à torção, isto sendo favorecido por seguinte causa:

A. a camada de tecido conjuntivo fibroso, conhecido como placa cística e extremamente laxa
B. caso que tem um longo mesentério
C. sendo suspensa na cavidade abdominal e mais predisposta aos choques
D. a existència dos calculos biliares dentro da vesicula muda o centro de peso
E. a presença do lado esquerdo do fígado

108. Em um paciente ictérico, marque o achado que mais provavelmente sugere que a icterícia seja por predomínio da bilirrubina indireta.

A. Anemia
B. Acolia fecal
C. Prurido intenso.
D. Colúria.
E. Azia.

113. O ducto hepático esquerdo:

A. é formado por ductos que drenam os segmentos hepáticos II, III e IV
B. possui um comprimento extra-hepático de aproximadamente 4 cm
C. o ramo posterior drena os segmentos VI e VII
D. localiza-se anteriormente no ligamento hepatoduodenal
E. e totalmente intrahepatico

114. Sobre as vias biliares e CORRETO afirmar que:

I) A bifurcação dos ductos hepáticos é normalmente intra - hepática
II) a vesicula biliar esta envolvida parcialmente em peritônio
III) as valvulas do Heister podem ser encontradas no ducto cistico
IV) Normalmente, a vesicula biliar tem forma de pera

São verdadeiras:

A. I e III
B. II e IV
C. II, III e IV
D. I, II e III
E. todas

115. A anomalia de vias biliares mais frequente encontrada na patologia é:

A. a união entre o ducto hepático posterior direito e o ducto hepático comum distalmente à união do ducto hepático anterior direito e ducto hepático esquerdo
B. o ducto hepático anterior direito unindo-se ao ducto hepático comum distalmente à união dos ductos posterior direito e esquerdo
C. ducto hepático acessório colecisto-hepático
D. agenesia da vesícula biliar
E. duas vesículas biliares separadas

116. A vesícula biliar é irrigada pela artéria cística, que comumente é um ramo da:

A. artéria hepática direita
B. artéria hepática esquerda
C. artéria hepática comum
D. artéria gastroduodenal
E. artéria mesentérica superior.

117. Normalmente, a capacidade da vesícula biliar humana é de:

A. 20-30 ml
B. 30-40 ml
C. 40-50 ml
D. 50-60 ml
E. 60-70 ml

118. A secreção biliar esta modificada de:

I) gastrina
II) colecistocinina
III) secretina
IV) enterogastron

São verdadeiras:

A. I, II e III
B. II, III e IV
C. I, III e IV
D. I e III
E. somente I

119. Os efeitos da colecistocinina ao nivel das vias biliares constam em:

A. manter a contração tonica do esfinter ampular.
B. redução no pH da bile, através de um mecanismo de troca com o sódio
C. mediar o complexo mioelétrico migratório
D. estimular o esvaziamento biliar apos a alimentação
E. limpeza periodica do intestino da secreção e dos restos interdigestórios, preparando-o para a próxima refeição

120. Os microorganismos mais frequentemente isolados a partir da bile de pacientes com colelitíase sintomática, colecistite aguda ou colangite são:

A. Enterococcus e Streptococcus virídans
B. Escherichia coli e Klebsiella sp
C. Pseudomonas e Enterobacter
D. Bacteroides sp. e Clostrídium
E. Cândida sp.

121. Esta associado a falha terapêutica do tratamento das infecções das vias biliares:

I) o isolamento em cultura de Cândida
II) o isolamento em cultura da Klebsiella
III) um pH entre 7,1 - 7,3
IV) a presença de duas ou mais bactérias

São verdadeiras:

A. uma resposta exata
B. duas respostas exatas
C. tres respostas exatas
D. todas as respostas exatas
E. nenhuma resposta exata

122. Qual é a melhor indicação antibioterapéutica para um paciente idoso com colecistite aguda recente com razão em obter uma boa cobertura contra anaeróbios gramnegativos comumente isolados a partir da flora biliar e cutânea:

A. associar a cefalotina com metronidazol
B. penicilina cristalina 2.000.000 UI injetável em infusão i. v. e gentamicina 40 mg 12/12 horas
C. clindamicina 1800-2400 mg/dia durante, 3 dias antes e 3 dias pos-cirurgia
D. amikacina injetável 100 mg 12/12 horas
E. uma única dose de cefazolina

123. Os principais componentes da lama biliar são:

A. o colesterol
B. a bilirrubina conjugada
C. a bilirrubina não conjugada
D. o bilirrubinato de sodio
E. a agua

124. Há condições estão associadas à formação de cálculos biliares, a lama biliar tem sido observada clinicamente:

A. depois refeiçoes ricas em gorduras
B. durante uso a longo prazo de nutrição parenteral total
C. em caso de aumento do colesterol na alimentação
D. em caso de excesso de antiinflamatores não esteroidicos
E. todas as condiçoes acima enumeradas

125. Leiam com atenção as seguintes afirmações:

I) a lama biliar é o nicho para o crescimento dos cálculos.
II) os cálculos biliares são o resultado primário de um defeito na secreção hepática de lipídios biliares.
III) a supersaturação de colesterol não causa obrigatoriamente a formação dos calculos
IV) os defeitos da motilidade da vesicula biliar não tem relação com a tendencia da formação de calculos

São verdadeiras:

A. I, II e III
B. I e II
C. II e III
D. I e III
E. somente IV

126. A presença de ar dentro da parede da vesícula pode indicar:

A. pneumobilia
B. uma fistula bileodigestiva cirúrgica
C. uma fistula bileodigestiva espontânea
D. infestação com parasitos (tipo Ascaris)
E. colecistite enfisematosa

127. Leiam com atenção as afirmações abaixo:

1. o alcool e um fator predisponente na formação dos calculos
2. existe uma predisposição genetica á calculose biliar
3. o risco de desenvolver sintomatologia biliar e menor naqueles pacientes que nunca tiveram sintomas biliares
4. o consumo de café aumenta o risco de desenvolver cálculos biliares sintomáticos.

São verdadeiras:

A. ha uma resposta errada
B. duas respostas são verdadeiras
C. não há resposta errada
D. tres respostas são erradas
E. há somente uma resposta verdadeira

128. As seguintes categorias enumeradas aperesentam risco elevado de desenvolver calculos biliares, EXCETO:

A. homens que utilizam terapia estrogênica para tratamento do câncer de próstata
B. pacientes submetidos à vagotomia troncular
C. pacientes que adotam uma dieta pobre em fibras
D. pacientes com dieta rica em colesterol
E. pacientes com indice massa corporal (IMC) > 40

129. A infecção biliar tem um papel importante na formação dos cálculos pigmentares castanhos. Qual é a bacteria responsavel, na maioria dos casos, para este processo fisiopatologico?

A. Escherichia coli
B. Helicobacter pylori
C. Peptostreptococcus spp
D. Lactobacillus bifidus
E. Sacharomyces boulardii

132. A accurãcia da ultrassonografia para o diagnostico de colelitiase diminui em caso de:

I) existe pouca bile na vesicula
II) calculos muito pequenos
III) ileo com conteudo aumentado de gas abdominal
IV) obstrução de vias biliares

São verdadeiras:

A. I, II e III
B. I e III
C. II e III
D. somente I
E. somente IV

133. Em que consta o sinal do Murphy ultrassonografico:

A. aumento da interface entre o fígado e a vesícula
B. espessamento da parede da vesícula
C. dor quando o transdutor está sobre a vesícula
D. falsa ausência de líquido (bile) ao redor dos cálculos biliares
E. sombra acustica de forma triangular que acompanha cada imagem dos calculos

134. Sobre a utilidade do exame ultrassonografico para investigação de um paciente com icterícia e VERDADE que:

A. tem que ser o primeiro exame a ser solicitado
B. se o nivel da bilirrubina for acima de 10 mg/l o exame será inútil, isto indicando que a obstrução e total neste caso o liquido existente na vesicula e vias biliares é insuficiente para visualisar-los
C. a precisão diagnóstica para o diagnostico da colelitíase é muito superior ao colecistograma oral)
D. despito a modernização dos aparelhos de ultrassom, somente os calculs acima de 5 mm de diâmetro podem ser identificados
E. tem uma otima precisão diagnostica para a coledocolitiase

135. Uma vesícula biliar constantemente dilatada e indolor (vesícula de Courvoisier) e forte suspeita de:

A. má-formação congenital (mega-vesicula)
B. a obstrução e mais proximal
C. cicatrização por colangite prévia
D. enrijecimento dos ductos por cirrose
E. tumor peri-ampular.

136. Colangiopancreatografia Endoscópica Retrógrada (CPER) e um exame consiste na passagem de um endoscópio através da ampola de Vater, com injeção de contraste, permitindo a visualização fluoroscópica e documentação radiológica das vias biliares e ducto pancreático principal. A complicação mais comum desta investigação é:

A. a peritonite
B. o abscesso hepatico
C. o íleo paralitico
D. a colangite
E. a pancreatite aguda

137. O tratamento de escolha para pacientes com colelitíase sintomática é a colecistectomia laparoscópica eletiva. A taxa de mortalidade para este procedimento é de aproximadamente 0,1%, havendo como principal causa:

A. a sepse
B. a síndrome de coagulação intravascular disseminada
C. as infecções oportunistas
D. as complicações cardiovasculares
E. a síndrome hepatorrenal

139. Qual a diferença no diagnóstico de cáculo residual e lesão iatrogênica das vias biliares após colecistectomia?

I. na lesão iatrogenica aparece icterícia progressiva
II. na lesão iatrogenica a sintomatologia não inclui febre
III. na lesão residual não existe leucocitose
IV. a litíase residual manifesta-se com episódios de icterícia

São verdadeiras:

A. I e II
B. I e III
C. I e IV
D. II e III
E. III e IV

140. Sobre a colelitiase, as seguintes aformações sigam a sequencia correta de V (verdadeiro) e F (falso):

1) A tomografia de abdome é o exame com maior acurácia para o diagnóstico de colelitíase
2) Durante o exame físico, a observação do sinal de Murphy é indicativo de colecistite aguda.
3) Durante a colecistectomia, as estruturas do triângulo de Calot deverão ser identificadas, antes da secção de estruturas.
4) Se for submetida a tratamento cirúrgico, a paciente deverá suspender o uso dos medicamentos anti-hipertensivos, no mínimo, 48 horas antes da operação

São verdadeiras:

A. 1 - V; 2 - V; 3 - V; 4 - F
B. 1 - V; 2 - F; 3 - V; 4 - F
C. 1 - F; 2 - V; 3 - V; 4 - F
D. 1 - V; 2 - V; 3 - V; 4 - V
E. 1 - F; 2 - F; 3 - V; 4 - F

141. A discinesia biliar pode ser caracterizada pelas seguintes:

I) intolerância a alimentos gordurosos
II) fração de ejeção menor do que 35%, em 20 minutos ao exame com tecnecio
III) evidência de colelitíase ao exame ultra-sonográfico
IV) e uma contraindicação da colecistectomia laparoscópica

São verdadeiras:

A. I, II e III
B. I e III
C. II e IV
D. somente I
E. nenhuma das variantes acima

142. Os calculos biliares pretos são formados na vesícula, e consistem basicamente de:

A. colesterol
B. bilirrubinato de calciu
C. fosfato de magnesio
D. bilirrubina
E. carbonato de calcio

144. Na colecistectomia laparoscópica, independente da técnica inicial, trocarteres adicionais são inseridos na cavidade peritoneal, sob visão direta. A maioria dos cirurgiões utiliza dois trocarteres de 11 mm, localizado nas regiões subxifóide e subombilical e dois trocarteres adicionais de 5 mm posicionados na região subcostal direita. O trocarter subombilical de 11 mm serve para:

A. estabelecimento do pneumoperitônio
B. realizar inventario da cavidade peritoneal
C. segurar e posicionar a vesícula biliar para uma colecistectomia anterógrada
D. retrair a vesicula lateralmente para expor plenamente o trígono de Calot
E. realizar colangiografia intra-operatória

1466. A litíase biliar é, mais freqüentemente, vista em:

A. mulheres entre 18 e 30 anos.
B. mulheres entre 40 e 50 anos.
C. homens entre 18 e 30 anos.
D. homens entre 40 e 50 anos.
E. crianças entre 10 e 18 anos.

1468. Com relação ao tratamento das infecções helmínticas, pode-se afirmar que a primeira escolha é feita com

A. tinidazol.
B. albendazol.
C. praziquantel.
D. oxaminiquine.
E. tetraciclina

2050. O triângulo de Calot é um importante repéro anatômico na cirurgia da vesícula biliar, pois é utilizado para identificar as estruturas, sendo composto por:

A. canal cístico, colédoco e borda inferior do fígado
B. artéria cística, colédoco e ducto cístico
C. canal cístico, artéria cística e borda inferior do fígado
D. canal cístico, hepático comum e artéria hepática
E. canal cístico, hepático comum e a borda inferior do fígado

3170. O triângulo de Calot é um importante reparo anatômico na cirurgia da vesícula biliar, pois é utilizado para identificar as estruturas, sendo composto por:

A. canal cístico, colédoco e borda inferior do fígado
B. artéria cística, colédoco e ducto cístico
C. canal cístico, artéria cística e borda inferior do fígado
D. canal cístico, hepático comum e artéria hepática
E. canal cístico, hepático comum e a borda inferior do fígado

3265. A fístula bilio-entérica se faz mais comumente entre:

A. a vesícula biliar e o intestino grosso
B. a vesícula biliar e o jejuno
C. o colédoco e o duodeno
D. a vesícula biliar e o duodeno
E. o colédoco e o jejuno.

3266. As bactérias mais comumente isoladas na colecistite aguda e/ou colangite são:

A. pseudomonas e enterobacter
B. escherichia coli e klebsiella
C. enterococcus e streptococcus
D. clostridium e candida
E. escherichia coli e pseudomonas.

3274. A síndrome de icterícia acompanhada de febre com calafrios e dor sugere:

A. peritonite biliar
B. vesícula hidrópica
C. colecistite aguda
D. cálculo no canal comum
E. fístula bilio-entérica

 

AUTOR: DANIEL

5008. Na forma mais grave de colangite aguda (colangite tóxica), o paciente apresenta caracteristicamente uma pêntade de sinais e sintomas. Assinale a alternativa que apresenta os sinais e sintomas da Pêntade de Reinolds. a) Dor, febre, sudorese, hipotensão arterial e icterícia
b) Febre, icterícia, calafrios, hipertensão arterial e coma
c) Febre, dor, icterícia, hipotensão arterial e confusão mental
d) Dor, febre, sudorese, hipertensão arterial e confusão mental
e) Icterícia, febre, hipotensão arterial, vômitos e oligúria

SAIR